A terra é um material abundante, com inúmeras características ecológicas, começando pelo simples fato de estar no local da obra e ser completamente reciclável; posso demolir uma casa de terra e construir outra com a mesma terra.

Embora não seja um material que apresente o melhor em termos de desempenhos pontuais de qualquer uma das solicitações a que está sujeita, é o melhor no cumprimento cumulativo de todas as solicitações. Ou seja, não é o melhor isolante do mundo, nem o melhor resistente à compressão, etc., mas é dos únicos materiais que reúne todas essas condições e que desempenha todas as tarefas, de forma muito satisfatória ao mesmo tempo.

Para as diferentes técnicas utiliza-se uma massa básica constituída de 60 a 70% de areia, 30 a 40% de argila e água em quantidade suficiente.

A terra apropriada para usar na construção é aquela que geralmente fica abaixo dos 50 cm. Alguns aditivos podem ser agregados de acordo com as necessidades ou com a técnica escolhida.

Os principais aditivos são:

– Esterco fresco de vaca ou cavalo que são estabilizantes químicos da massa.

– Grãos, fibras, folhas secas e limpas, capins e palhas que estabilizam a massa e “amarram” internamente as partículas de areia e solo.

– Cimento, cal, gesso ou cinzas que proporcionam uma liga mais resistente e mais durável.

– Óleos vegetais, látex, seivas e ou betume asfáltico que torna a mistura mais impermeável e com menos água fica mais resistente às intempéries.

 

Outro aspecto importante diz respeito à fundação e cobertura dessas edificações. Por ser um material poroso, o barro tem a capacidade de absorver umidade do ambiente e dissolvê-la, oferecendo um equilíbrio de umidade no ambiente interior.

A massa utilizada para assentar os tijolos e para rebocar as paredes é a mesma que se usa para fazer os tijolos.

“Uma construção em terra crua tem de ter “um bom chapéu e um bom par de botas”, isto é: beirais largos e fundações acima do piso.

A fundação tem por finalidade isolar as estruturas de parede da umidade do solo. Pode ser feita de concreto ou pedras. A cobertura deve proporcionar um beiral de pelo menos 50cm.

Vantagens do barro:

•Material reutilizável. Quando não cozido, pode ser triturado e umedecido para voltar ao estado original. Sendo assim não gera resíduos em uma obra e não contamina o ambiente.

•Material econômico. Pode ser encontrado na maioria das vezes, próximo aos locais de obras e, por vezes, pode vir a substituir outros materiais de construção. Não necessita de muita energia integrada à obra, ou seja, em sua preparação, transporte e armazenagem, muito pouco é gasto.

•Excelente regulador de umidade, o barro tem a propriedade de expelir e armazenar água devido à alta capilaridade de suas moléculas. É um material muito poroso. Construções de barro podem absorver até 30 vezes mais umidade do que uma de tijolo cozido.

•Ótimo isolante térmico, mantendo a temperatura dos ambientes sempre balanceados.

 

Desvantagens

•As construções com terra devem ser protegidas da umidade. O barro não é um material impermeável e se desintegra rápido ao contato direto com a chuva.

•Uma construção unicamente edificada com terra não é própria para edifícios com mais de um pavimento.

•O barro não é um material padronizado. A quantidade e o tipo de areia, argila e outros agregados varia de cada lugar onde a terra é extraída.

•Ao secar, o barro se contrai e podem aparecer fissuras. Para diminuir este processo é necessário, (enquanto o barro seca), mantê-lo sempre umedecido para que não seque rápido demais.

Arq. Míriam Morata Novaes

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Compartilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
  • email
  • LinkedIn
  • Live
  • Orkut
  • RSS
  • Technorati
  • Digg
  • MySpace
  • Tumblr

Artigos Relacionados: