Habitação Popular

Projeto Recriar

A casa é o segundo útero e o Planeta Terra é nossa Grande Mãe, por isso cuidar da casa e do Planeta é fundamental para a sobrevivência da nossa espécie.

O homem é coautor da Grande Obra da Vida, construída a cada segundo, com os sonhos, gestos, intenções, ideias, erros, acertos, buscas, certezas… e, principalmente, com a infinita criatividade para recriar o mundo, todos os dias.
Nosso projeto aposta na capacidade que cada ser humano tem de sonhar juntos e criar instrumentos para construção de um mundo melhor.
Por onde começar?
Que tal cuidando do nosso Lar?

Etapa I
Construindo um Lar.

No Brasil, de acordo com o Ministério das Cidades (Fonte: <www.cidades.gov.br>), o déficit habitacional para a população de baixa renda é estimado hoje em 7,223 milhões de moradias, ou seja, a população com renda média familiar mensal até três salários mínimos.

A indústria da construção civil poderia suprir esse déficit, mas qual seria o custo ambiental dessa obra?

“As atividades relacionadas à construção civil são as maiores responsáveis pela degradação ambiental, que ocorrem por meio do consumo excessivo de recursos naturais, pela demanda por matéria prima industrializada e pela geração de resíduos. O setor é atualmente um dos maiores causadores de impactos ambientais, consome 75% dos recursos naturais extraídos, gera 80 milhões de toneladas de resíduos por ano e, devido à queima de combustíveis fósseis, sua cadeia produtiva contribui de forma significativa para a emissão de gases de efeito estufa (GEE), como o CO2. Também responde por 40% do consumo mundial de energia e por 16% da água utilizada no mundo.”

Como solucionar esse problema?
Construir casas populares sustentáveis seria um bom começo.
Mas o que é uma casa popular sustentável?
São casas projetadas com materiais de construção e tecnologias sustentáveis de baixo custo, que possibilitem:

• coleta e reutilização de água da chuva para descarga do vaso sanitário e irrigação do jardim
• materiais de construção naturais, recicláveis e de fontes renováveis, que produzam menor impacto ambiental, disponíveis localmente;
• tratamento local de esgoto doméstico;
• desenvolvimento de projeto que possibilite a auto construção ou a construção através de sistemas de mutirão;
• sistema de aquecimento de água por painéis solares

• acessibilidade universal – todos os espaços de passagem, assim como o banheiro, projetados com espaçamentos
adequados para a movimentação independente de idosos e deficientes físicos.

O resultado para o planeta será:
• menor impacto ambiental;
• redução do consumo de energia;
• redução do consumo de água;
• melhoria do conforto térmico;
• redução e minimização de resíduos;
• saneamento eficiente;
• paisagismo produtivo.

A teoria é perfeita, mas como transformar isso em realidade?
Aprendendo e Fazendo!

 

Etapa II
Projeto CENTRO TECNOLÓGICO RECRIAR

  • PRINCIPAIS QUESTÕES E PROBLEMAS A SEREM TRABALHADOS NO PROJETO

Hoje a palavra sustentabilidade não se refere apenas a um estilo de vida, mas a única saída para a sobrevivência da nossa civilização. O conceito de desenvolvimento sustentável implica em buscar soluções viáveis, que minimizem os impactos ambientais e maximizem os resultados sociais.

O PROJETO CENTRO TECNOLÓGICO RECRIAR é uma tentativa de inserir a construção sustentável em quatro justificativas importantes, dentre as muitas possíveis, que são: a justificativa social, justificativa ambiental, justificativa econômica e a justificativa tecnológica.

Nossa meta é pesquisar materiais, tecnologia e sistemas construtivos para construir uma casa popular, sustentável com R$ 8.000,00 e ensinar a fazer isso.

Essa pesquisa, capacitação, monitoramento dos protótipos só pode ser realizado em um espaço com infraestrutura para isso.

Essa meta abre um leque imenso de problemas e possíveis soluções, entre eles:

- Déficit habitacional – a comunidade aprende a construir a própria casa e os materiais que serão utilizados na construção; isso diminui drasticamente o custo final da obra e gera possibilidade de negócio para a comunidade, uma vez que eles poderão produzir os elementos (blocos, telhas, etc.) em escala industrial e comercializar.

- Degradação Ambiental – produzir elementos a partir de reciclagem e reutilização de resíduos descartados pela construção civil, como gesso, entulhos, madeira, etc.; ou resíduos gerados pela indústria em geral e lixo doméstico.  Assim, os resíduos sólidos são gerados em cada etapa do processo em que as matérias-primas são convertidas em bens de consumo. A partir desta análise, concluem que a melhor maneira de reduzir a quantidade de resíduos sólidos é limitar o consumo de matérias-primas e incrementar as taxas de recuperação e reuso ou de reutilização dos resíduos produzidos.

- Falta de mão-de-obra qualificada na construção civil – capacitar o jovem para construção sustentável, produção de equipamentos de tecnologia limpa de baixo custo, materiais de construção ecológicos ou sustentáveis e técnicas alternativas de construção.

“De acordo com o estudo The world at work: Jobs, pay, and skills for 3.5 billion people (“O mundo do trabalho: empregos, salários e habilidades para 3,5 bilhões de pessoas”), divulgado pelo Instituto Global McKinsey. Ao analisar 70 países que, juntos, representam 96% do PIB e 87% da população mundiais, o estudo revelou que a falta de profissionais altamente qualificados, com Ensino Superior e especializações, provocará uma guerra mundial por talentos – serão 40 milhões de profissionais a menos do que o necessário. Países da África subsaariana e sul asiático não vão encontrar os 45 milhões de trabalhadores de qualificação média (o equivalente ao Ensino Médio completo) de que seu processo de industrialização precisa para continuar crescendo. Por outro lado, cerca de 95 milhões de indivíduos com baixa qualificação profissional (Ensino Fundamental) ficarão desempregados por não estarem a altura dos cargos disponíveis.”

- Falta de oportunidade para pesquisadores colocarem em prática novas tecnologias e materiais de construção, diretamente nas comunidades mais carentes – trazer para as comunidades o enorme conhecimento e pesquisas desenvolvidas nas Universidades e Centros Tecnológicos;

- Falta de perspectivas para jovens em situação de rua, internos em casa de recuperação, ou abrigos; que não tem profissão e não conseguem entrar no mercado de trabalho – ensinar a produzir componentes e tecnologia, oferecer a matéria prima e capacitar o jovem para construir a própria casa;

“- A cada ano, se tornam aptos ao mercado de trabalho, cerca de 2,1 milhões de pessoas. A expectativa de novos postos de trabalho formal no Brasil é de 1,7 milhão, para uma demanda de 2,1 milhão de pessoas que todo ano se tornam aptas a pleitear uma vaga de trabalho remunerado, ou seja, a cada ano teremos 600 mil pessoas aptas fora do mercado de trabalho. A maioria das novas vagas que surgem, são dos setores da indústria e construção civil. Porem existe muita dificuldade na obtenção de mão de obra especializada no setor de construção.

“2.187 menores de idade que vão completar a maioridade dentro de abrigos no Brasil ainda em 2012. Consequentemente, deixam de estar sob a tutela do Estado e enfrentam sozinhos a transição para a vida adulta.  Com a maioridade, os jovens abrigados são considerados aptos a viver por conta própria, mesmo quando não possuem capacitação profissional. Como não há um programa direcionado exclusivamente a esse público no Brasil, a possibilidade deles encontrarem emprego e construírem uma vida digna é bem pequena.”

 - Número imenso de pessoas ociosas em comunidades carentes – ensinar a produzir elementos tecnologia de baixo custo, para consumo da própria comunidade e comércio.

“Em 2012, a população de desempregados gira em torno de 6,7%, ou seja, atingirá a quantidade expressiva de 11,8 milhões de seres humanos desempregados e aproximadamente 6,7 milhões de pessoas desocupadas.”

Nossa proposta é oferecer possibilidades de construir utilizando materiais disponíveis localmente, capacitar as pessoas da comunidade através de cursos e oficinas presenciais em nossa sede, ou através de plataforma de ensino à distância.

  • Objetivos Gerais

Pesquisa → Desenvolvimento de Componentes e Tecnologia → Capacitação -→ Produção de Materiais e Tecnologia  → Construção das casas

Pesquisa – Estudar e explorar as potencialidades da construção tradicional como referência para a inovação tecnológica em sustentabilidade na arquitetura. Estudar a possibilidade de adaptar ao contexto tecnológico atual, técnicas tradicionais, que possibilite minimizar os impactos ambientais e maximizar os resultados sociais.

Desenvolvimento de Componentes e Tecnologia – Desenvolver novos materiais, componentes, técnicas construtivas e tecnologias alternativas para construção de baixo custo.

Capacitação- Formação profissional para a produção de componentes, painéis e técnicas construtivas que possibilitem a autoconstrução das casas, inserção dos aprendizes no mercado de trabalho e produção de componentes para comércio. A qualificação não é apenas uma alternativa para a construção da própria casa, mas o ingresso no mercado de trabalho e a possibilidade maior da construção da sua identidade cidadã.

Produção de Materiais e Tecnologia – Os resultados das pesquisas serão confeccionados pelos participantes dos cursos e pelos grupos interessados em geral. A produção de blocos, telhas, revestimento, portas e janelas, etc., poderão ser utilizados na confecção das próprias casas, ou para comercialização pela comunidade.

Construção da casa – A construção da casa está presidida por um conceito de sistema construtivo que integre os universos produtivos de dentro e de fora do canteiro: os saberes, os materiais, o equipamento, o processo de trabalho, as relações de trabalho, a logística, o ecossistema, etc.

  •  Objetivos Específicos

1. Construir um Centro Tecnológico em uma área acima de 50 mil metros quadrados. O Centro Tecnológico será aberto a estudantes, pesquisadores e público em geral, para pesquisar, desenvolver e produzir componentes e tecnologias de baixo custo para construção de casas populares sustentáveis. Construir uma ECOVILA com casas populares.

O Centro Tecnológico contará com 1 Laboratório de materiais, 1 estufa para pesquisa de plantas de diversas partes do Brasil, 1 Laboratório de Tecnologia para produção de energia limpa, 1 Oficina de reciclagem e reutilização de resíduos da construção civil,  Centro de Ensino e Convivência.

A Ecovila com os protótipos das casas com área de 50 m2, (incialmente 10 casas) com diferentes materiais e sistemas construtivos, serão utilizadas para monitoramento e aperfeiçoamento dos componentes e tecnologias. Todas as  casas terão horta e jardim. Tudo será aberto ao público em geral, GRATUITAMENTE.

2. Formar uma rede de pesquisadores capazes de criar novos conhecimentos que contribuam para expandir as capacidades da tecnologia e construção sustentável de baixo custo, para atender mais e melhor os desafios sociais e econômicos de comunidades desfavorecidas, rurais e urbanas. Esse grupo de pesquisadores desenvolverá componentes utilizando materiais ecológicos e reciclados; painéis solares de baixo custo para tecnologia limpa; sistemas construtivos tradicionais e alternativos revisados e atualizados. Todo material proveniente desses estudos será disponibilizado no nosso site e redes sociais.

3. Criar 6 grupos de pesquisa – 1. Parede, 2.Cobertura, 3.Estrutura, 4.Esgoto, 5.Revestimento, 6. Energia Limpa. Cada grupo terá um coordenador e voluntários para desenvolver a pesquisa, produzir os componentes, inserir o produto na casa e ensinar nos grupos de capacitação.

Cada grupo se responsabilizará pela pesquisa, desenvolvimento do material e ensinar os alunos e público em geral a produzir esse componente, ou tecnologia para construção de casas ou produção para comércio.

Cada grupo será responsável pelo seu produto, desde a pesquisa, ensino, produção, até o monitoramento do desempenho do mesmo, na casa.

O grupo de pesquisadores oferecerá consultoria, para moradores comunidades carentes em cidades sem nenhum acesso a tecnologia e sistemas construtivos de baixo custo, através de plataforma de ensino à distância.

O curso de capacitação será oferecido aos moradores de comunidades carentes, grupos que trabalham com moradores em situação de rua, clinica de dependentes químicos, grupos de mulheres vitimas de violência e jovens de abrigos. Esses grupos de pessoas serão selecionados pelos lideres das comunidades, ou abrigos.

Todos os cursos destinados às comunidades serão gratuitos, bem como o acompanhamento das obras nas comunidades dos alunos.

Os cursos serão oferecidos também através de plataforma de ensino à distância. Todo material didático será publicado na íntegra em nosso site e disponibilizado para o público em geral.

Estamos fazendo pesquisas para desenvolver componentes (blocos, telhas, elementos para fundação, estrutura, vedação, etc.), utilizando resíduos da  construção convencional e materiais reciclados. O objetivo é retirar da natureza milhares de toneladas de “lixo” e transformá-los em materiais de construção. Toda produção será pública.

Mas o que faz de uma casa, um Lar?
As pessoas que vivem nela.

Etapa III
Comunidade e Universidade juntas

Trazer moradores de comunidades carentes, alunos de arquitetura e engenharia, profissionais da área de construção civil, internos de clinicas de recuperação e público em geral, para juntos recriarmos o “jeito de construir, morar e cuidar do planeta.”

Um sonho – fazer uma ponte entre os saberes da Academia e os saberes da população, que utiliza técnicas de construção alternativas, com terra, materiais descartados pela indústria da construção civil, etc. Juntos podemos construir casas com qualidade e baixo custo.

Existem pesquisas maravilhosas que poderiam melhorar a vida de milhões de pessoas, mas estão enfeitando as estantes da Bibliotecas. Vamos dar Vida a todo esse material”

O Planeta é o nosso Lar!
Morar em uma casa sustentável não basta, é necessário que as pessoas da comunidade criem uma nova relação com o planeta. É necessário que a cultura da sustentabilidade seja disseminada entre todos. Palestras, cursos, assistência na própria comunidade, nas escolas do bairro, são atitudes que entendemos como sementes para conscientização. A partir desse conhecimento que construiremos juntos é que a cultura da sustentabilidade pode proliferar. Reuso de água, coleta seletiva de lixo, horta coletiva, replantio nas áreas de mata ciliar quando prejudicadas e o respeito pelo meio ambiente são nossas principais metas. Contaremos com apoio de grupos ambientalistas que já desenvolvem cultura da sustentabilidade.

NOVO ENDEREÇO DO ESCRITÓRIO DA RECRIAR

Av Manuel Antonio Gonçalves, 549 – CEP: 02152-0000

São Paulo – SP

Tel. (11) 2209.3084/ 976749855

e-mail – .br

 

Quem somos

Amanda Novaes Massari , Bacharel em Direito

Ana Maria Morata dos Santos, Consultora de Vendas

Beatriz Morabito, Webmaster

Carla Gonçalves Boscato de Castro, Educadora

Carla Matheus de Almeida, Arquiteta

Emilio Carlos Gonçalves, Engenheiro Civil

Isabel de Freitas, Psicóloga

José Marcelino de Andrade, Empresário

Marivalda Legati Gonçalves, Cirurgiã Dentista

Miriam Morata Novaes, Arquiteta

Nadia Maria Rozon, Advogada

Sandra Regina Warde dos Santos, Secretária

Sonia Maria Marçal de Andrade, Educadora

Valéria de Salles Hernandes, Educadora

Entre em contato conosco!

.br

Compartilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
  • email
  • LinkedIn
  • Live
  • Orkut
  • RSS
  • Technorati
  • Digg
  • MySpace
  • Tumblr

Artigos Relacionados: