Quando o Alzheimer entra na nossa casa ela precisa ser adaptada, assim como nossos hábitos e vida. Faz parte da minha profissão ajudar a adaptar o espaço, para que o cotidiano seja o mais prazeroso possível.

Assim como adaptamos a casa para a chegada de um filho, ou a saída dele para sua própria casa, precisamos adaptar a casa da família que convive com o paciente de Alzheimer, porque tudo vai mudar.

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Compartilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
  • email
  • LinkedIn
  • Live
  • Orkut
  • RSS
  • Technorati
  • Digg
  • MySpace
  • Tumblr

Artigos Relacionados: